7 de novembro de 2013

Continuam a ser o meu fruto preferido*




Por estes dias, vou-me consolando com os que ainda restam - poucos já, muitos deles comidos pelos pássaros, outros tombados pela chuva e pelo vento e esborrachados em quedas inglórias, outros tantos apodrecidos ainda na árvore. Os velhos dióspireiros do jardim da avó A. todos os anos cumprem o seu desígnio e enchem os meus finais de Verão e começos de Outono de sabores que me transportam para bem longe no tempo e de uma explosão de cor que me ajuda a ultrapassar a mudança de luz, os dias mais curtos e a necessidade de roupa mais quente em cima da pele.

Gosto de pensar que herdei a mestria da avó A. e do avô C. no que ao arranjar do fruto diz respeito, para melhor o poder degustar em seguida. Uma perícia de técnica e destreza de extrema sensibilidade, um bailado sincronizado entre colher e faca. A mão precisa da avó, o jeito único de manusear a faca do avô, o deleite de ambos. É impossível deixar de sorrir de cada vez que como um dióspiro e os consigo imaginar novamente ao meu lado, à mesa, um dos nossos sítios preferidos.

*Com um beijinho directamente para a Suíça ;)




4 comentários:

Merenwen disse...

Eu gosto muito mas se forem dos duros...esses, confesso nao consigo comer! Mas já as arvores dos diospiros, adoro, quando carregadinhas parecem arvores de natal enefeitados com dezenas de bolas :)

Mar* disse...

Eu é exactamente ao contrário: dos duros não gosto nada, só destes assim bem laranjinhas e prontos para serem comidos às colheradas ;)

Os dióspireiros carregadinhos são das coisas mais bonitas desta altura do ano, sim!

Sai um beijo enorme da Invicta para Bruxelas...e um abraço, daqueles!

*

Blanche Cérise disse...

Ohhhhhhh... só vi isto agora! Obrigada :) e agora fizeste-me ter saudades dos dióspiros que não comi este ano. Aqui na Suíça ainda não vi ou se vi foram dos de roer que detesto. Deixam-me a língua pastosa e esquisita!!

Um beijinhos grande, grande para ti Mar* e também para a Merenwen ;)

Mar* disse...

De nada ;-) É mesmo,os dióspiros duros deixam-nos com "boca de cortiça" como dizia o meu irmão em pequeno.

Beijinhos*