8 de julho de 2008

Estou à tua espera num sítio onde as palavras já não magoam, não ferem, não sobram nem faltam...*


no tempo em que éramos felizes não chovia.
levantávamo-nos juntos, abraçados ao sol.
as manhãs eram um céu infinito. o nosso amor
era as manhãs. no tempo em que éramos felizes
o horizonte tocava-se com a ponta dos dedos
as marés traziam o fim da tarde e não víamos
mais do que o olhar um do outro, brincávamos
e éramos crianças felizes. às vezes ainda
te espero como te esperava quando chegavas
com o uniforme lindo da tua inocência. há muito
tempo que te espero. há muito tempo que não vens.


- José Luís Peixoto -

* Inês Pedrosa

1 comentário:

Moony disse...

"O mar é sempre fiel se o mantivermos gravado na altura devida. Como o amor, se o mantivermos na memória, na devida altura"

Armando Silva Carvalho


Podes continuar a deixar poemas...

M*